Keeler and Belov

Não me basta vê-lo todos os dias ou ter apenas conversas de elevador por longas horas. Quero poder descobrir sua mente, mergulhar em seus gostos e me emaranhar em seus braços até não saber mais onde começo ou termino. Meu instinto diz que há sentimentos infinitos por trás de olhos tão fundos. Há algo que me despertará ainda mais fascínio. Se tudo parece ser tão novo e tão bom, não vejo motivos para expulsar tantas sensações diferentes. Sei dos seus pesos e sei do quanto meus ombros podem suportar. E pronto.

A cada descoberta, me sinto ainda mais envolvida e longe da entrada do imenso túnel em que entrei, tendo a impressão de que não posso mais retroceder. Nem pretendo. Não me importo em continuar caminhando, desde que você esteja a me esperar na saída. A cada passo, descubro suas minúcias, manias e preferências e me sinto cada vez mais dentro de seu espaço singular. 

Por outro lado, sinto que meus pés caminham em frente enquanto a estrada me leva automaticamente para trás, me alertando constantemente do tal fator impossível que tanto insisto em ignorar. A cada vez que sinto enormes faróis me alertando para parar exatamente no ponto que estou, sinto que o peso em meus ombros aumenta. Mas é minha escolha. Tem um pouco da minha essência nisso e não me sinto confortável pensando em abandonar a minha estrada. Em abandonar você, me esperando com o mais tímido dos seus sorrisos no fim do caminho. Mesmo indo contra a correnteza social, estou exatamente nadando a favor da minha vontade. E isso me basta. Já ponderei demais e continuar caminhando é a minha decisão final.
Saber que tenho bem menos bagagem torna-se um fato tão pesado quanto suas próprias malas, e talvez seja esse o motivo dos seus olhos serem tão mais fundos do que os meus. Há mais peso em você do que em mim. Entretanto, flutuamos num mar de possibilidades que me fez cogitar dividirmos esse peso e todas as experiências que você já teve. Quero carregar sua bagagem, suas experiências, suas histórias e o que mais for possível. Não falo em equivalência, de jeito nenhum. Sei que sempre levarei a menor parte e acabo preferindo dessa forma. Você sempre terá mais, saberá mais. E eu sempre estarei disposta a aprender.

Dois lados novos em folha

Escrevo no There are two sides há bastante tempo mas só agora senti vontade de mudar. Quis um layout novo, posts novos, paixões novas. E bem, aqui estou eu tentando por em prática os meus planos. Claro que vai demorar um pouco, o blog ainda está sujeito a várias mudanças antes de chegar no produto final. Não abrirei mão de algumas coisas como o nome (sempre achei que “Existem dois lados” fosse o melhor título pra expressar todos os meus textos), a imagem do vinil (acreditem, eu até tentei mas há certas coisas que só ficam bem se não mudarem) e é claro, a assinatura meio torta da autora Branca de Neve (meio-torta) no final de cada post.
Finalmente criei coragem para arquivar os posts por categorias, tags e tudo o que me for de direito. Aliás, decidi também socializar. Os posts não ficarão mais às escuras e estarei aberta a mais comentários, críticas ou o que quer que venha.
Enquanto o blog não chega ao seu destino final, estou preparada pra curtir cada fase dessa nova fase de mudanças.